quinta-feira, outubro 30, 2008

"Não respondo de medo. Medo da pressa dos inteligentes que arrematam a frase antes que ela acabe. E porque não tem resposta. Qual o segredo por trás disso tudo? Como te digo que desejo sim meu cônjuge, meu par, que não proclamo mas meu corpo pêndulo nessa direção? Que meu par é quem quer saber e dá, a benção, as palavras: em nome do pai, e da filha, qual é o endereço? o interesse? o alvo do raio? a vida secreta do Sr. Morse? Alguém viu - o sossego do urso? Alguém ficou fraco diante de sua mãe? Alguém disse que é pra você que escrevo, hipócrita, fã, cônjuge craque, de raça, travestindo a minha pele, enquanto gozas?"

Ana Cristina César (e a minha quase-queixa por 25 anos que a alma inflou-se e o corpo explodiu ali, estirado na calçada, faz tanto tempo e eu quase me lembro)

quinta-feira, outubro 16, 2008

Nota: papéis e canetas são honestos, computadores jogam sujo. (Perdi quatro anos de escritos em poucos minutos, inconsolável.)

sexta-feira, outubro 10, 2008

Vou jogar meus nervos num balde de água fria (ou rasgar as folhas dos últimos dias, a bandeirinha branca balançando, pura covardia).

sábado, outubro 04, 2008

Eu sentarei neste mesmo lugar diariamente para escrever-me até chegar a uma conclusão e chamá-la de Acordo, depois eu me dou ao luxo do trivial, de todo o resto.
Humanidade,

eu tenho tido uma paciência enorme com você, mas vamos falar sério agora, de mulher para mulher, chega de gracinhas.

quinta-feira, outubro 02, 2008

1) Generosidade, graça, ombros relaxados, cabeça leve
2) Diálogos mastigadinhos, pausados, assim
3) One more beer
4) Fuga, saída de emergência, subterfúgio, medidaspreventivas

quarta-feira, outubro 01, 2008

Todos os escritores¹ apresentam um certo grau de esquizofrenia, em alguns casos em estágio avançado, em outros nem tanto, mas há sempre a dificuldade de discernir a realidade da criação, o palpável da fantasia, o próprio mundo do mundo exterior. Eu sempre me entreguei a coisa qualquer, real ou não, mas isso cansa e agora me sinto no direito de saber se você² é de verdade antes de continuar, antes de fazer o que eu sempre fiz com todos os outros, por enquanto eu vou permanecer aqui, estática, uma quase-muda. "É quase indecente essa tarefa de elisão"³, Ana diria, mas se faz necessário, é a única forma, é muito difícil de compreender?


¹ escritores: aqueles que cavam a si mesmos, que escrevem com as entranhas, bem ou mal.
² você: você mesmo.
³ Ana Cristina César, em Luvas de Pelica.