terça-feira, fevereiro 24, 2009

Dezembro: é madrugada e eu posso ouvir aquela mesma música bancando de femme fatale ao meu ouvido que tonto suplica algum tipo de atitude (minha, certamente). Um tiro, dois. Descanse em paz. Eu vou ficando por aqui, eu prefiro ficar por aqui mesmo. Escrevo pouco, não posso gastar palavras. Não me comporto e acabo anunciando a Chuva (é que eu sou doente de pressa muito mais que dos pulmões).

Ainda não estou totalmente preparada para falar sobre isso.

Primeira tentativa: menti mas não consegui convencer, não maquiei devidamente os olhos. (Fui pega desprevenida!) Segunda tentativa: andei, andei, madrugada quente, mulher chorosa cara a cara com O Desespero Irremediável, mulher dramática, andando, andando. Terceira tentativa: parei de jogar há meses, tu estás jogando contra ti mesmo - e a cada ponto que tu ganhas, tu te roubas (isso soa mal, homem, isso tem cheiro de destruição).
Carnaval é particípio.

quarta-feira, fevereiro 18, 2009

Este é o blog que não deveria se chamar sap, deveria se chamar lixeira - é para cá que vem todo o resto, tudo que sobra da minha verdadeira cria. Entenda: como todo lixo, às vezes fede.

sexta-feira, fevereiro 13, 2009

Entre nós: apenas o presente queimando a pele, o calor desses dias abafados (mate o passado, depois me ensine como).
Verão é gerúndio.
Vertigem: você invadiu minha manhã enquanto eu enxaguava os cabelos. Estou tonta até hoje, marquei no calendário com um círculo vermelho e você não veio. Estou esperando até hoje, mas às vezes pego no sono, canso de observar vagamente, quero os olhos fixos. Anestesiada, até hoje.
Sete de outubro: aí olhei e escrevi uma coisa assim, depois: taças que transbordam são mais bonitas que taças cheias, apesar de mancharem as toalhas, quiçá nossas roupas; estou focando no trabalho incansável em frente ao tanque para me comportar quando sirvo o vinho.

terça-feira, fevereiro 10, 2009

A claridade faz mal aos meus olhos, compro um desfibrilador moderno e seringas, injeções de mel (estou farta de interromper meu percurso para escrever sobre a crise, fico aborrecida com a falta de criatividade alheia, não me empenho e preciso de uma pausa, um café). Pinto as unhas da cor que você detesta, ainda é manhã e quero escrever escalafobético mas por enquanto estou comportada, uma lady, tão bonita, tão bonita.

segunda-feira, fevereiro 09, 2009

Descobri os melhores, encontrei-os, fiquei toda vermelha de raiva (não coloquei os seios de fora, estou alimentando bem meus filhotinhos de mágoa, fecho a cara e não respondo); você não sabe mas esse é o meu ponto fraco, eu disse para o homem sereno do ponto de ônibus, destruíram o meu exército, furaram meu balão de gás, eles são muito bons, eles são realmente muito bons, y cómo me gustaría que en vez de esto que voy diciendo fuera una novela con personajes y todo, afundei o rosto entre as mãos como quem chama o mundo para brincar de esconde-esconde (eu tenho um bom esconderijo, monsieur, vem comigo, vem comigo).

quinta-feira, fevereiro 05, 2009

Não gosto de lá, todos estão eternamente esperando que alguém surja para acender o interruptor, um medo incrível de tatear no escuro, não gosto.

*

- Estou lisonjeado.
- Não fique, estou só exercitando para não enferrujar.

*

Vicky Cristina Barcelona é uma estrada lisinha, não faz tanto calor porque há bastante vento e o cabelo fica um pouco desgrenhado.

*

Chega, já brincou demais, levanta do meu trono e devolve minha coroa. Agora.

*

- Oi, tudo bem? Vim buscar uma parte de mim que ficou na sua cama.

terça-feira, fevereiro 03, 2009

O único problema é a falta de curvas, não desce bem. Estou engasgada até agora, eu queria que tudo tivesse sido um pouco mais franzido, mais sinuoso; como posso dizer que você é todo traduzido ao pé da letra de uma forma que você compreenda? Pesquisa mental de frases que possam me ajudar, procurando, procurando, assim: eu queria que as palavras escorressem, eu queria estar te escrevendo naturalmente e não apenas para me livrar da maldita insônia.

(nessa parte da história eu recolho a plaquinha que diz i fall in love too easily, i fall in love too fast, muito ressentida, devo dizer, muito decepcionada comigo mesma, devo acrescentar, rezando para que tudo não passe de uma fase, uma pausa obrigatória para tomar fôlego e logo mergulhar de novo, de novo, de novo, de novo - reage coração, você não pode me abandonar agora, ohh i fall in love too terribly hard, lembra?)