terça-feira, março 31, 2009

Síntese de tudo que minha vida tem exigido: menos drama, menos, menos drama, um guindaste com uma imensa bola de ferro para que eu possa destruí-la - e só assim construir tudo (de) novo, menos drama, uma passagem sem volta para Bangladesh, um mapa-mundi para que eu saiba onde fica isso e, enfim, menos drama.

(aderi o ilustrando & compreendendo: a vida é um jogo de freecell que diz o tempo inteiro: essa jogada não é permitida OU não há espaço livre para mover as cartas)

das ilusões:

que me desmancha,
perfume, perfume
náusea
cólera, gelatina
brandura
lenta, lenta

estou fazendo as malas
(- mas posso levar o açúcar, os algodões?)
quero rir da minha falta de antídoto

segunda-feira, março 23, 2009

"Encomendei esta caixa de madeira
Clara, exata, quase um fardo para carregar.
Eu diria que é um ataúde de um anão ou
De um bebê quadrado
Não fosse o barulho ensurdecedor que dela escapa.

Está trancada, é perigosa.
Tenho de passar a noite com ela e
Não consigo me afastar.
Não tem janelas, não posso ver o que há dentro.
Apenas uma pequena grade e nenhuma saída.

Espio pela grade.
Está escuro, escuro.
Enxame de mãos africanas
Mínimas, encolhidas para exportação,
Negro em negro, escalando com fúria.

Como deixá-las sair?
É o barulho que mais me apavora,
As sílabas ininteligíveis.
São como uma turba romana,
Pequenas, insignificantes como indivíduos, mas meu deus, juntas!

Escuto esse latim furioso.
Não sou um César.
Simplesmente encomendei uma caixa de maníacos.
Podem ser devolvidos.
Podem morrer, não preciso alimentá-los, sou a dona.

Me pergunto se têm fome.
Me pergunto se me esqueceriam
Se eu abrisse as trancas e me afastasse e virasse árvore.
Há laburnos, colunatas louras,
Anáguas de cerejas.

Poderiam imediatamente ignorar-me.
No meu vestido lunar e véu funerário
Não sou uma fonte de mel.
Por que então recorrer a mim?
Amanhã serei Deus, o generoso – vou libertá-los.

A caixa é apenas temporária."



Sylvia Plath, tradução de Ana Cândida Perez e Ana Cristina César.

Eu ficaria extremamente satisfeita se todas as traduções fossem limpas e bem feitinhas como esta.
Instruções para pisar em ovos:

é importante um cuidado permanente com os pés, um cuidado diário; não se pisa em ovos de uma hora para outra, há sempre a preparação - pois que a preparação seja diária para surtir melhor desempenho. Para os que têm espelhos, aconselho como treino posicionar-se em frente a ele durante algumas horas para melhor análise de si próprio - e de seus gestos, de suas palavras, de seus passos leves para não quebrar ovos. É válido o uso de um cigarro na mão direita porque quando se pisa em ovos há uma preocupação exclusiva com os pés, com as pernas; o uso do artifício de fumo ajuda nossas mãos a esperar pacientemente nós decidirmos o que fazer delas sem que ninguém perceba, sem que ninguém note o abandono. Extremamente importante é ser bem articulado, austero e nada impulsivo - para se pisar em ovos precisamos ter total controle sobre nossas palavras, precisamos ser bons carpinteiros de nossas frases, nem que para isso precisemos de uns minutos de silêncio entre uma pergunta e outra, o olhar franzido, um falso ar de mistério. Uma opção não descartável, porém não aconselhável, é fingir que não ouviu-se a pergunta enquanto pensa-se numa resposta que não comprometa os ovos, uma resposta que os deixe intactos, íntegros, absolutos.


(cortázar, eu imploro: vá para a luz e deixe-me em paz)

quinta-feira, março 19, 2009

I

- O que você está fazendo?
- Rezando.
- Para quê?
- Para me livrar da razão.
- Você enlouqueceu?
- Pior: eu estou sã em excesso.
Eu escolhi o canto quente daquela sala escura porque me lembra o útero materno (dormi em posição fetal e não senti fome porque recebi nutrientes diretamente da placenta).

quinta-feira, março 12, 2009

"And it's so good to live in peace
And Sunday, Monday, years, and I agree
While my eyes go looking for flying saucers in the sky
While my eyes go looking for flying saucers in the sky
I choose no face to look at, choose no way
I just happen to be here, and it's ok
Green grass, blue eyes, grey sky
God bless silent pain and happiness
I came around to say yes, and I say
But my eyes go looking for flying saucers in the sky"


Mas há profundidade em pequenos universos, eu disse, há magia em situações corriqueiras, triviais, nós freqüentemente esquecemos disso, por quê? - Há pitadas de humor refinado em um filme que encanta, em nossa vida, em nossos diálogos, decisões, no rumo que as coisas tomaram, em qualquer circunstância, aspecto, não negues: há.

quarta-feira, março 04, 2009