domingo, julho 31, 2011

O que escrevo é documento. Se escrevo, por exemplo, que ainda nas primeiras horas da manhã um sabiá repousou as asas no parapeito da minha janela, imediatamente o fato torna-se incontestável.

domingo, julho 24, 2011

Você é injusto quando diz que a vida nos levou longe demais. A vida é inofensiva e não trabalha sozinha. A vida por si só é tão perigosa quanto um yorkshire. Sejamos razoáveis: nossas pernas nos levaram longe demais. Regressemos, então, com as mesmas.
Minha intuição é meu faro quando avanço às cegas. Minha bengala, minha guia mais primitiva e quase infalível.

quarta-feira, julho 20, 2011

quinta-feira, julho 14, 2011

da série: diálogos inesquecíveis (parte X)

Apocalypse Now
(Coppola, 1979)
"- Smell that? Do you smell that?
- What?
- Napalm, son. Nothing else in the world smells like that. I love the smell of napalm in the morning. You know, one time we had a hill bombed, for 12 hours. When it was all over, I walked up. We didn't find one of 'em, not one stinkin' dink body. The smell, you know that gasoline smell, the whole hill. Smelled like... victory."

da série: diálogos inesquecíveis (parte IX)

O Poderoso Chefão
(Coppola, 1972)
"- Eu voltei da Itália e revi meus pais, meus irmãos, minha família e fiquei contente. Mas só quando eu encontrei você eu fiquei realmente feliz. Isto é amor?"

sábado, julho 09, 2011