quinta-feira, fevereiro 16, 2012

Não sei o que fazer com o que estou sentindo por mim mesma. Até os meus defeitos são apaixonantes. Quero me raptar só para mim.

terça-feira, fevereiro 14, 2012

Sobre o Oscar, é provável que O Artista leve o de melhor filme porque a academia precisa mostrar que não tem inveja dos franceses. Woody Allen, o Didi Mocó americano, volta para casa com as mãos abanando. Outra grande possibilidade é Scorsese levar a mamata de melhor diretor porque já está velhinho e ninguém vai querer dormir com essa culpa. Meus comentários, porém, não devem ser encarados com tanta seriedade porque sou uma mulher leviana.
Sou uma eterna fã da revista Alfa. Composta por um time impecável de jornalistas imensamente talentosos, matérias inteligentíssimas, fina ironia e um porém: teoricamente destinada ao público masculino. Mulheres estão eternamente fadadas a ler sobre dieta, a vida das celebridades do terceiro mundo ou dicas para prender seu macho. Ok.

segunda-feira, fevereiro 13, 2012

- Quero escrever um livro chamado Eu tenho 26 coisas para lhe dizer.
- O que você está esperando?
- Ter 26 coisas para lhe dizer.
- Quantas você tem?
- Até agora, nenhuma.
- Acho que tem tudo para dar certo.
- Eu também!

domingo, fevereiro 12, 2012

Segunda-feira, 6 de fevereiro:
Não tenho qualquer outra intenção além de narrar os acontecimentos sob minha ótica. Os mesmos fatalmente resultariam em uma biografia diferente caso fossem relatados por outro alguém, mas o fato é que esta caneta é minha. Se estou sentada bebendo café, estou apenas sentada bebendo café. Entre um gole e outro, deixo que minha mão escorregue entre meus cabelos. Também distribuo uma série de cumprimentos: que todos tenham um bom dia caso estejam dispostos a tê-lo. Não cobro nada pelos meus cumprimentos, nem reciprocidade. É uma doação. Sou muito boa.

biutiful

Assisti Biutiful durante cerca de uma semana. Dormia cada vez que o filme completava, no máximo, 40 minutos de exibição. Sou teimosa como uma mula. Hoje os créditos finalmente subiram e a sensação de vitória tomou conta do meu peito - eu consegui.

O roteiro não dá trégua a Javier Bardem, que aos trancos e barrancos carrega o filme nas costas. Fiquei cansada por ele. Merece uns três anos de férias em cruzeiro pelas Ilhas Gregas.

Biutiful é o resultado da separação de Iñarritu e seu roteirista oficial. Não funciona. É como assistir a carreira solo da Sandy. Por favor, amigos, façam as pazes!

domingo, fevereiro 05, 2012

diário de bordo:

Sábado, 4 de fevereiro:
Lapa: o carnaval tentando, em vão, enfeitar tuas avenidas. Vejo muita sujeira para pouca serpentina. Te procurei em cada rosto de cada mesa de cada bar de cada rua que passava por mim, eu que não te amo mais. Temo não te reconhecer, como Adèle Hugo de Truffaut. Afinal, lá se vão quatro ou cinco anos e você pode ter perdido os cabelos, a timidez e com sorte alguns quilos. Antes de partir você me deixou dois presentes: um pirulito em formato de coração e uma cicatriz no meio do peito. Poético. Lapa: você já me viveu, me tragou, rasgou minha fantasia de moça polida. Agora passou nosso tempo e é desconfortável pisar por aqui, desviar da multidão, transitar sem fim, suportar a madrugada inteira sem sair correndo gritando mamãe. Ao fim, por acaso presenciamos as luzes encantadoras de Giancarlo Neri iluminando a Praça Paris e a falta de prática deixou meu português tão estúpido que senti dificuldade em escrever a palavra presenciar.

Domingo, 5 de fevereiro:
Acordo de maquiagem e sinto pena da minha pele, mas há o Sol e uma vontade inenarrável de ser feliz. Não perco tantos minutos lamentando o ocorrido. Ao invés, brincamos de fazer bolhas embaixo d'água. The greatest thing you'll ever learn is just to love and be loved in return. Peço encarecidamente que não matem os marimbondos porque são grandes amigos meus. É minha única restrição, no momento.

quinta-feira, fevereiro 02, 2012

Recomecemos. Sobretudo, porque é preciso. Os demais motivos que novamente me trazem ao princípio são de ordem fútil e não pretendo citá-los, quero me ater ao que é realmente necessário: recomeço porque é preciso inventar, todos os dias, uma maneira de entrar em contato com o meu próprio self. Escrever é o meu modo. Eu não posso recusar a oportunidade de pontuar minha própria voz. Eu não tenho esse direito.
Promessa: amanhã carrego um caderno e volto ao Trabalho.

quarta-feira, fevereiro 01, 2012

da série: diálogos inesquecíveis (parte XV)

As Crônicas de Nárnia: Príncipe Caspian
(Andrew Adamson, 2008)
"- Às vezes eu gostaria de ser mais corajosa.
- Se você fosse mais corajosa, seria uma leoa."