quarta-feira, março 21, 2012

"E assim sou, fútil e sensível, capaz de impulsos violentos e absorventes, maus e bons, nobres e vis, mas nunca de um sentimento que subsista, nunca de uma emoção que continue, e entre para a substância da alma. Tudo em mim é a tendência para ser a seguir outra coisa; uma impaciência da alma consigo mesma, como com uma criança inoportuna; um desassossego sempre crescente e sempre igual. Tudo me interessa e nada me prende."

Fernando Pessoa em O Livro do Desassossego.
Outra coisa sobre árvore é que hoje uma amendoeira esperou eu passar e só então deixar cair um fruto. Teve receio de acertar minha cabeça. A gente se respeita muito, não se machuca.

terça-feira, março 13, 2012

Coletânea das minhas frases preferidas no jardim da infância:

- Se eu quiser dormir, eu durmo. Se eu não quiser, eu não durmo.
- Se eu quiser brincar, eu brinco. Se eu não quiser, eu não brinco.
- Se eu quiser comer, eu como. Se eu não quiser, eu não como.
- Se eu quiser falar, eu falo. Se eu não quiser, eu não falo.

Até hoje, julgo tais colocações muito sensatas da minha parte. Se eu quiser crescer, eu cresço. Se eu não quiser, eu não cresço.

caetano veloso:

"Homens, eu sempre pensei, ou são reis ou são ratos"