quarta-feira, outubro 31, 2012

Você perguntou como eu estou me sentindo e eu respondi que ainda não parei pra pensar nisso. Rimos pelo paradoxo.

terça-feira, outubro 30, 2012

No ônibus, uma senhora respondeu "que a vida te trate muito bem" em agradecimento ao pequeno favor que eu lhe fiz. Achei incrivelmente poético.

segunda-feira, outubro 29, 2012

Às vezes me tomam o tempo certas preocupações tão bestas que custo a me reconhecer.
Ao preencher um formulário, uma pessoa me perguntou se o campo "data" deveria ser respondido com a data de hoje. Como lidar?

sexta-feira, outubro 26, 2012


"Photographers are always photographing the package, but they would never think to open up the box. Well, I'm interested in the contents, because once you start opening up the box, it's like a Chinese box, there's always another box inside - so it's limitless."

Como o mundo pode viver sem Duane Michals? Sou uma apaixonada.

duane michals:

"Madame Schrodinger and her cat are both wondering what the probabilities are that at this moment you are reading this."

the fallen angel


Duane Michals, 1968.
Ao dar um conselho, eu disse: nada é humilhante a menos que você se sinta humilhada. Depois concluí que foi uma das frases mais brilhantes que eu já disse. Dignidade vem de dentro.
O maior pecado que um ser humano pode cometer é não se entregar a sua própria natureza. Desse mal eu não morro. Como já cantava Gabriela, eu nasci assim, eu cresci assim e sou mesmo assim.

quinta-feira, outubro 25, 2012

Tenho medo de ventania. O tempo parece tão nervoso! Fico bem quietinha, apreensiva.

terça-feira, outubro 23, 2012

Eu te amo porque você me faz mais bonita. E não são todos os amores tão egocêntricos quanto este aqui?
Qualquer pouca merda satisfaz. Engolem qualquer coisa abanando o rabinho e justificam com "é melhor que nada". A vida, gigante como é, apresentando uma infinidade de possibilidades - e vocês ocupados roendo osso. Eu lamento.

sexta-feira, outubro 19, 2012

Pavor de quem responde "você não entendeu o que eu falei" quando contra argumentado. Sim, eu entendi o que você falou e achei uma estupidez, portanto estou discordando. Tudo muito natural. Agora seria a sua vez de defender o seu ponto de vista, mas você vai atrasar o diálogo repetindo a estupidez que eu já entendi. Haja estrutura.
Sobre o pote, dizem que não se deve ir com muita sede. Eu pergunto, então, se existe outro motivo para ir até o pote que não seja o fato de estar com muita sede.
A lei que rege os dias é a lei da impermanência. Abocanhem, portanto, antes da validade. Parágrafo único.
A vida sempre tentando me enfiar goela abaixo uma boa colherada de vergonha na cara. Como um bebêzinho malcriado, estou sem apetite. Só abro a boca se fizer aviãozinho.

quinta-feira, outubro 18, 2012

Me contaram que o cumprimento Namastê significa "o meu Deus sauda o seu Deus". Lindo.
O verão tem um cheiro característico. Hoje eu senti cheiro de verão.
Sou apaixonada pelo Ricardo Boechat. Sempre que posso, a televisão fica ligada enquanto ele fala. Não estou interessada exatamente nas notícias, se fosse o caso eu acessaria o globo.com. Estou interessada na voz, no tom, no porte. William Bonner precisa tomar muito Sustagem. Boechat é rei.

quarta-feira, outubro 17, 2012

Falarão, pois, e você haverá de perdoá-los. Uns após os outros, os que têm a língua apodrecida serão perdoados pelo mau cheiro causado ao redor. Atraídas, as moscas rodeiam as bocas, dançam, satisfazem-se. Pobres deles.
Quem tem boca vai a Roma. Ou à forca.

terça-feira, outubro 16, 2012

Não me preocupo com o dia de amanhã porque ele já é bem grandinho e sabe se virar sozinho. O amanhã que cuide de si.

segunda-feira, outubro 15, 2012

Ainda que nossas nuvens sejam mais carregadas, ainda que nos chova granizo ao invés de água - ah! como somos bonitos, nós, os impetuosos.

vai


Você me diz que eu sou filha de Ossanha. Como Vinicius de Moraes. "Que se casou nove vezes", você completa. Fico lisonjeada, ainda assim.

shame on us

Para um bom observador, as relações interpessoais são quase matemáticas. Para alcançarmos uma reação B, devemos executar uma ação A. Como um grande jogo onde conhecemos todas as regras, aprendemos cada fórmula e atalho para vencer e obter determinado resultado de outrem. "Eu poderia jogá-lo no escuro, tamanha facilidade!", dizemos convictos. Entretanto, sem conseguirmos colocar exatamente em prática o aprendizado por sermos indivíduos movidos não somente pela razão, as relações humanas se tornam um atestado de impotência. Tenho consciência de estar dando um passo errado para o meu objetivo, porém ainda assim o darei. Nada nos distingue, então, de um quadrúpede no pasto, guiado pelos instintos mais primitivos. E, devo dizer, nada nos humilha mais do que contar com uma cadeia elaborada de raciocínio e não fazer uso do privilégio.

domingo, outubro 14, 2012

quinta-feira, outubro 11, 2012

segunda-feira, outubro 08, 2012

meu ano mariquinha

Todo ano, próximo ao meu aniversário, faço minha revolução solar. Para astrologia, o aniversário é uma espécie de reveillon pessoal e a revolução solar nada mais é do que uma previsão para o seu próximo ano. Pois bem, este ano abrirei uma exceção. Ao saber que meu próximo ano será canceriano, optei por não saber mais de nada. Não quero ouvir, não quero ler. Estou desolada. Me mande passar um ano no inferno, mas não me mande passar um ano em câncer. Pavor do mimimimi canceriano. Minha última esperança é que o mundo de fato acabe em dezembro. Eu me recuso a ter um ano maricas.

domingo, outubro 07, 2012

sexta-feira, outubro 05, 2012

Sou tão apaixonada pela paz das madrugadas quanto pelo calor humano do dia. Sendo uma só, sempre me dói abdicar de uma das possibilidades em prol de algo tão bobo chamado sono. Dormindo nada se faz, nada se produz, nada surge ou acontece. Estar adormecido é estar ancorado numa espécie de não-ser. Ora, me sirva um expresso duplo porque eu quero fazer jus a minha existência! Quase uma semana sem cafeína, afinal, eu devo mesmo ter perdido muita coisa.
A justificativa "é um problema cultural" pode ser usada para quase tudo e ainda assim não será mentirosa. Nascemos já situados em dado momento e carregamos intrinsecamente determinados valores definidos por outros, que não nós mesmos. Torna-se muito difícil, então, olharmos para dentro. É complicado afirmar o que é realmente seu em essência individual. Todas as sociedades deveriam ser extintas após cumprirem prazo definido para darem espaço ao novo, sem legados comportamentais. Do contrário, estaremos sempre condicionados ao passado. O legado nos facilita muito a vida prática, porém nos limita de maneira assustadora. Carregamos nos ombros uma bagagem que nem é nossa. Deve-se ser assim, deve-se ser assado. E somos assim, e somos assado. Não sei quem sou, sei quem somos.

quarta-feira, outubro 03, 2012

Minha academia é tão infernalmente quente que eu fico esperando a hora que o capeta vai me dar boa tarde e correr na esteira do meu lado.
Várias vezes tive vontade de responder "é a parte que te cabe deste latifúndio" e me calei. Sou uma pessoa muito boa.
Para inflamação na garganta, uma colher de mel pode milagrosamente driblar a tosse noturna. Parece mito, mas não. Outra coisa é que, se o seu corpo é movido a cafeína, abster-se do componente por alguns dias pode mesmo tornar seu sono tão gostoso quanto o de um bebê. Parece historinha para boi dormir, mas não. Dormirá o boi, você, eles e todos nós. Eu garanto. Boa noite.
Algumas pessoas têm me questionado o fato de não escrever em público. Por que não criar um blog onde fosse possível escrever aos olhos de todos? Admito que tenho cogitado a hipótese, acontece que até minha insegurança é metida a besta. Uso a justificativa de que ninguém vai entender o que eu digo. Estou muito além. E, no meio de tanto charminho, afinal quem perde sou eu. Eles continuarão a viver sem me ler. Eu, por outro lado, não sei viver sem escrever.
Estou enjoada de fazer divagações sobre a humanidade, essas anotações racionais sobre o que eu observo. Por ora, cansei de generalizar. De manter essa distância fria do meu texto. Não sou socióloga, chega. Quero ser íntima. Hoje eu disse para o meu coração: fala alguma coisa! Ele, muito preguiçoso, bocejou, virou para o lado e voltou a dormir. Pediu mais cinco minutinhos.

terça-feira, outubro 02, 2012

Favor dar ossos aos cães, milho aos pombos e banana aos macacos. É importante não confundir as criaturas. Um pombo não sabe o que fazer com um osso, os cães estão de dieta e os macacos não aprenderam a fazer pipoca. Cada qual com o que lhe cabe.

segunda-feira, outubro 01, 2012

Querida Thaís,

Fico tão feliz! Torci por você. Tudo deu certo e esse é só o começo da sua vida, você nem imagina o que ainda está por vir. Tenho certeza que o seu futuro será brilhante. Acho que toda mudança é válida, mesmo as que parecem assustadoras num primeiro instante. É gostoso fazer as malas quando não sabemos exatamente o que nos aguarda. Na última vez que fiz as malas, desisti de ir. Não faça o mesmo.

Hoje estou doente, peguei uma gripe muito forte. Minha garganta já dava sinais há uns dias, piorou bastante depois de um final de semana de excessos. O incrível é que estou achando bom estar aqui, coberta, meio febril. É como se a vida puxasse o tapete e me obrigasse a parar. Ganhei um bolo de cenoura e não tenho vontade de fumar. Só é difícil para dormir, mesmo. De resto, estarei bem aconchegada durante os próximos dias.

Me conte sobre as primeiras impressões. Se não por aqui, de outra forma.

Um beijo,
Natasha

 Em resposta a: http://www.simplescomplexibilidade.blogspot.com.br/2012/09/querida-natasha.html

sobre o tempo:

Só persiste o que é reafirmado. Se estou entusiasmada, desejo repetir a causa de bom grado e associo o entusiasmo ao precursor. Baterei palmas, então, toda vez que me trouxerem sardinha. Minha alegria ganha forma, torna-se um fato incontestável. Noutra via, se me deito a chorar não tenho outro objetivo além de comprovar minha dor. Choro porque está doendo, está doendo porque choro. "Está doendo", eu repito se quiser prolongar o martírio. O que não pode ser reafirmado não resiste ao tempo. Fica fraco, vira pó.

viral:

eu celebro
tu celebras
ele celebra